Como tratar um Traumatismo Dental? 


O Traumatismo Dental é uma ocorrência bastante comum nas clínicas odontológicas e pode consistir em uma fratura simples do esmalte dentário – camada superficial da estrutura – ou uma lesão profunda que atinge até os tecidos ósseos de sustentação do dente.

Essa lesão ocorre como resultado de grandes impactos na região bucal, promovido por acidentes, quedas, brigas, durante a prática de esportes de alto impacto, colisão com algum tipo de objeto e até mesmo em repercussão de maus tratos.

Ainda que esse tipo de problema possa ser desenvolvido por pacientes de todas as idades, o traumatismo dentário é majoritariamente encontrado em crianças e adolescentes em idade escolar, predominantemente do sexo masculino e hiperativas.

Esse tipo de ocorrência é considerado uma emergência odontológica e muitas vezes é identificado primeiro pelos prontos socorros e clínicas médicas, mas idealmente deve ser atendido por um cirurgião-dentista.

Quanto mais cedo o tratamento for realizado, mais positivo será o prognóstico.

Problemas que podem ser consequência de um traumatismo dental

O traumatismo dental é um quadro que pode ser bastante leve e superficial, mas que também pode exigir a colocação de um implante dentário – nos pacientes adultos.

Por isso, durante o atendimento emergencial, para que seja feito o diagnóstico correto será necessário a realização de:

  • Exame clínico geral;
  • Radiografias faciais;
  • Análise do histórico de trauma;
  • Fotografia do dente traumatizado;
  • Terapia medicamentosa.

Todos os procedimentos devem ser realizados com agilidade porque os traumas dentários podem acabar induzindo ao surgimento de complicações importantes, especialmente nos pacientes que ainda estão na fase do desenvolvimento das estruturas dentais.

Afinal, quando a lesão se dá na dentição decídua (dentes de leite) os pacientes podem vir a sofrer com problemas pulpares, o aumento do volume do tecido gengival, com a alteração da coloração da coroa dental e até no desenvolvimento dos futuros dentes permanentes.

Outros problemas que podem ser percebidos na dentição fixa é a hipoplasia do esmalte – formação defeituosa da superfície do dente –, hipocalcificação, dilaceração da raiz dental, distúrbio de erupção, curvatura anormal da coroa do dente, entre outros.

Esses problemas preocupam mais os pacientes adultos – devido ao impacto estético que eles podem causar e pelo comprometimento na realização de vários tipos de clareamento dental –, mas que exige um acompanhamento clínico periódico independente da idade.

Tipos de traumatismo dentário e como tratar

Passou-se o tempo em que qualquer condição bucal era motivo para fazer a remoção da estrutura dental.

Isso se deu devido aos conhecimentos adquiridos com o avanço da odontologia, acerca da importância da manutenção dos dentes para a formação ósseo-facial e da possibilidade de tratá-los sem precisar removê-los.

No entanto, quando falamos do traumatismo dentário esse tratamento pode variar bastante de acordo com o tipo e severidade da lesão infligida. Por isso, listamos alguns dos tipos mais comuns de traumas dentários e as melhores formas de curá-los. Confira!

  1. Fratura do esmalte e dentina

A fratura do esmalte é uma lesão mais superficial, mas que ainda sim pode acabar comprometendo os alinhadores invisíveis ou outros tipos de acessórios ortodônticos fixos, bem como a estética do sorriso. Ela consiste na perda parcial do esmalte e da dentina.

Neste caso, é importante que se possível o elemento fraturado seja levado para que o dentista faça a colagem, mas quando isso não for viável é possível optar pela restauração convencional.

  1. Fratura coronária

Esse tipo de fratura é um pouco mais sério, pois além do esmalte dentário ele também envolve os tecidos mais internos, como a dentina e a polpa. Por isso, esse atendimento deve ser feito em até três horas após o acidente.

Caso esse atendimento seja feito com a rapidez necessária, o tratamento pode ser menos invasivo e as chances de recuperação são mais otimistas.

Na possibilidade haver algum tipo de elemento fraturado solto também é recomendado levá-lo – mergulhado em soro fisiológico – para o dentista.

  1. Fratura de coroa e raiz

Essa fratura envolve o esmalte, a dentina, o cemento – camada que cobre a raiz do dente – e a polpa dentária, podendo ser estabelecida no sentido vertical ou horizontal. É possível que nestes casos o paciente apresente mobilidade dentária.

O tratamento deve variar de acordo com o sentido em que a quebra ocorre. Na horizontal, é possível recuperar o tecido radicular através de um reposicionamento dental básico, seguido de um tratamento endodôntico devido ao risco de necrose pulpar.

Já na fratura vertical, será necessário a extração dentária completa.

  1. Subluxação dental

A subluxação dental é quando ocorre o rompimento de um grande número de fibras que fazem o ligamento periodontal, provocando a mobilidade dentária ou o deslocamento dessa estrutura.

É possível também que essa lesão provoque fratura do osso de sustentação do dente e laceração da gengiva. Até mesmo após visualizar as diferenças do clareamento dental antes e depois, quando há subluxação enfraquece os dentes.

O tratamento consiste na contenção semirrígida das estruturas afetadas e a alimentação através de comidas macias ou uma dieta mais líquida pelo tempo determinado pelo dentista.

  1. Luxação

Existem três tipos de luxações: a lateral, extrusiva e intrusiva. A luxação extrusiva se assemelha muito com a subluxação e por isso tem o mesmo tratamento.

No entanto, a intrusiva requer o reposicionamento do dente e a utilização da contenção por quatro semanas, podendo ser necessário o tratamento endodôntico.

Por sua vez, na luxação intrusiva acontece o deslocamento do dente para dentro do alvéolo ósseo, podendo causar a fratura desse osso. Assim, será necessário a re-erupção dental ou a tração ortodôntica do dente.

  1. Avulsão

A avulsão é o nome dado quando o paciente sobre a perda total do dente – um quadro comum na clínica de implante dentário – devido ao completo deslocamento deste elemento do osso de sustentação e rompimento de todas as fibras do ligamento periodontal.

A reabilitação do paciente pode ser feita com sucesso caso o dente seja reimplantado em menos de 60 minutos após a lesão e que os ligamentos estejam devidamente conservados quando levado até o dentista.

Além disso, é possível optar pela colocação da prótese dentária fixa ou pela confecção de um aparelho mantenedor de espaço removível para as crianças de até 5 anos. 

Conteúdo desenvolvido pela equipe do Status Fit Center, blog criado com o intuito de melhorar a saúde e o bem-estar por meio de conteúdos que reforçam a importância dos cuidados regulares.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Artigos Relacionados

Enviar Mensagem
Estamos online
Call Now Button