Internação Involuntária

Internação involuntária – O que é e quando deve ser realizada?

A internação involuntária acontece quando a necessidade da mesma já ultrapassa as vontades de um dependente químico, sendo que esse não dá o consentimento para ser internado, mas seu estado de saúde e também seu âmbito social já diz o contrário.

Neste conteúdo, vamos trazer informações completas sobre o assunto, buscando elucidar melhor sobre o que é, quando é necessária e quais as implicações de uma internação involuntária na vida de um dependente químico. Acompanhe a gente e deixe seu comentário se tiver alguma contribuição ou dúvida a sanar. Leia conosco!

O que é uma internação involuntária?

Afinal, o que é uma internação involuntária e quais as consequências que a mesma pode ter sobre a vida do dependente químico? Apesar de ser um termo bem autoexplicativo precisamos compreender melhor esse tipo de ação como um todo. E do que exatamente estamos falando?

Em um resumo bem direto, uma internação involuntária acontece quando o dependente químico não possui mais as rédeas de sua vida, e seus amigos, familiares e conhecidos resolvem tomar a decisão da internação por ele, já que o mesmo não fará isso.

As implicações que o uso de drogas e álcool podem causar na vida de alguém são muito grandes, e isso também atinge a esfera onde a pessoa possui noção sobre si mesma. Quando uma internação involuntária é necessária, geralmente o dependente já perdeu esse tipo de noção.

Apesar de possuírem palavras sinônimas, a internação involuntária não é o mesmo de internação compulsória, mesmo que alguns de seus princípios sejam semelhantes, como o fato do dependente químico ser internado contra a sua vontade.

Enquanto a internação involuntária em uma clínica de recuperação ocorre por decisão familiar, a compulsória necessita de um componente adicional: a ordem da justiça brasileira. Continue lendo conosco pra entender melhor sobre o que estamos falando.

Quando a internação involuntária é necessária?

E quando é necessária? Bem, conforme mencionado anteriormente, quando a necessidade de uma internação involuntária chega, é bem provável que o dependente químico não possua mais discernimento sobre o mundo ao seu redor, então a ação tem que partir dos familiares e amigos do adicto.

Na realidade, não existe um momento específico, já que as drogas não deveriam ser utilizadas desde seu início, mas recomendamos que a internação involuntária aconteça quando o dependente não quiser mais ajuda e os familiares notarem que não há mais volta por conta própria. Continue lendo conosco!

Em qual tipo de clínica o dependente deve ser internado involuntariamente?

E, em qual tipo de clínica um dependente químico deve ser internado involuntariamente? Caso você nos acompanha aqui no blog, provavelmente já deve ter lido sobre a variedade de centros de reabilitação disponíveis no Brasil, com as mais diferentes diretrizes e formas de reabilitar um dependente.

Elas podem ser dividas entre dois principais grupos: aquelas que utilizam de tratamento medicamentoso para o controle de abstinência e aquelas que não usam nenhum tipo de droga pra controlar as vontades por mais droga do dependente.

Além disso, existem ainda as subcategorias do segundo exemplo de clínica: comunidades terapêuticas que utilizam da vivência diária e compartilhamento de experiências, ou então as evangélicas que são muito semelhantes às comunidades terapêuticas, com o advento da fé incluído.

Não existe um tipo de clínica mais indicada para uma internação involuntária, mas sim um consenso familiar que visa entender em qual espaço o mesmo se encaixaria melhor. Lembre-se de que provavelmente essa internação não será bem acolhida pelo dependente, o que significa que tentativas de fuga em locais mais “flexíveis” podem vir a acontecer.

Quais as consequências de uma internação involuntária?

Bom, e quais são as consequências de uma internação involuntária na vida de um viciado? Podemos antecipar que muitas. O trauma da internação pode ser grande, dependendo de pessoa pra pessoa, mas com certeza a mesma é muito necessária para que ocorra uma desintoxicação das drogas ou álcool.

Portanto, recomendamos que o mesmo receba um acompanhamento médico a parte que seja a altura da necessidade do mesmo. Levar o dependente a visitas terapêuticas é necessário pra que o mesmo compreenda os motivos daquilo ter acontecido e como aquela é a melhor escolha para sua vida como um todo. A internação pode não ser confortável, mas com certeza é a melhor saída em casos extremos. Até a próxima!