Alternativas no tratamento para dependência química


O tratamento contra a dependência química e alcoólica é um dos assuntos mais comentados por parte dos familiares. E a alternativa mais coerente é realizar uma internação em uma clínica de reabilitação, seja de forma voluntária; a favor do adicto. Involuntária; contra a vontade do usuário de drogas. Compulsória; decidida por ordem judicial independente da opinião do viciado em narcóticos.

Por mais que a medicina tenha avançado ao longo dos anos, é importante descrevermos que ainda não foi descoberto outra forma de tratamento. Se você não sabe, a dependência química é uma doença crônica, progressiva e sem cura. Por mais que não tenha cura, a doença é tratável para que o adicto não venha a falecer em decorrer ao uso.

Estimasse que morre anualmente 500 mil pessoas por ano pelo uso nocivo de substâncias químicas, seja por drogas lícitas e ilícitas. O composto químico contido no álcool, cigarro, cocaína, crack e dentre muitos outros tipos de substâncias químicas, são altamente corrosivas a saúde física e mental. E por mais que desperte sentimentos de alegria, euforia e bem-estar, lembra-se que a constância no produto provoca a morte!

 

Drogas lícitas e ilícitas: Entenda a diferença!

 

Por que haver diferença se todas provocam a morte? Desde a história da humanidade o homem sempre procurou de substâncias alucinógenas para alterar o Sistema Nervoso Central (SNC). A sociedade que antes existia desconhecia os efeitos avassaladores provocados pelo uso do produto, mas logo perceberam que a constância na substância poderia alterar o comportamento de um indivíduo.

A medicina com o tempo pôde estudar de forma profunda os malefícios de se fazer o uso nocivo do produto, todavia, existiam drogas mais difíceis de serem banidas pelo consumo compulsivo em massa. Atualmente um número considerável de pessoas não acreditam que as drogas lícitas despertam a dependência química, estimulando em massa jovens e adolescentes a consumirem desde cedo o uso de drogas. Acompanhe abaixo as classificações:

  • Drogas lícitas:Substâncias químicas autorizadas livremente pela sociedade, como: cigarro, álcool e medicação sem prescrição médica.
  • Drogas ilícitas: Substâncias químicas não autorizadas livremente pela sociedade, como: maconha, cocaína, crack, LSD, MDMA e dentre muitas outras.

 

A descoberta sobre o universo das drogas

 

Acima foi descrito que a dependência química não tem cura, todavia é importante descrevermos que é possível viver em sociedade sem o uso de qualquer substância química. Afinal, como isso é possível? Para que isso aconteça o usuário de drogas deve ser internado em uma clínica de recuperação, pois os profissionais disponíveis na unidade ajudarão o paciente a controlar sua compulsão pela droga, ajudar a definir um plano de vida após a internação e auxiliar o adicto a manter a disciplina, além de desempenhar atividades que ajudam a manter o controle e evitar lugares que propiciam o uso compulsivo do produto.

No início da dependência química é possível cessar o uso sozinho de substâncias químicas, mas quando o problema se torna uma doença crônica a sua situação começará a se agravar. Os primeiros sinais serão de isolamento e perda de contato entre amigos e familiares, sua conduta é transformada podendo até ser agressivo. Muitas famílias ficam em dúvida sobre como funciona o tratamento e qual é o tempo de duração, acompanhe a leitura!

 

Afinal, como funciona o tratamento em uma clínica de recuperação e qual é a duração?

 

O tratamento contra a dependência química pode variar entre 3 meses se for realizado de forma compulsória, todavia, isso pode variar se a internação acontecer de forma voluntária e involuntária, podendo chegar à 6 meses e 1 ano. Para cada caso um tratamento em específico, para definir o período de internação será importante levar em consideração a avaliação de profissionais da área da saúde. E a partir de então iniciar o tratamento, seguindo o passo a passo:

  • Avaliação médica: É o primeiro passo em que o paciente iniciará, tendo o conhecimento das drogas que se fazia o uso, dosagem, duração, período e constância. Além de ter conhecimento dos problemas físicos e mentais desenvolvidos durante o uso, para então tratar de forma individualizada cada paciente.
  • Desintoxicação: Retirada de toda e qualquer substância química no corpo, o processo de desintoxicação é uma fase complicada por quem passa, todavia necessária para sair do mundo das drogas.
  • Suporte profissional: O período de desintoxicação é um procedimento delicado que exige apoio profissional de nutricionistas, educadores físicos, enfermeiros e supervisores. Inicialmente a medicação será realizada para ajudar o adicto a conter as crises de abstinência, a reeducação e a prática de atividades físicas ajudarão no processo de desintoxicação.
  • Laborterapia:Terapia comportamental individual ou em grupo, e até o auxílio de palestras são direcionados por um psicólogo. O intuito é conscientizar o paciente das causas e consequências de se fazer o uso, e definir metas de vida para manter distância das substâncias químicas.
  • Acompanhamento profissional: Frequentar grupos de autoajuda ou até fazer um acompanhamento com psicólogos, serão recomendados ao final da internação.

 

Qual internação devo opinar?

Tudo deve ser levado em consideração a opinião do usuário de drogas, já que há 3 formas de realizar o procedimento. Acompanhe:

  1. Internação voluntária: A internação voluntária acontece da melhor forma possível, afinal o usuário de drogas deseja se libertar da dependência química. Especialistas da área da saúde recomendam esse procedimento, pois o adicto está ciente de todo o procedimento e não mede esforços para ser internado.
  2. Internação involuntária: A internação involuntária acontece sem o consentimento do adicto, o procedimento foi autorizado por lei em 2019 e atualmente as internações mais recorridas são de forma involuntária. Os especialistas da área da saúde não recomendam tal procedimento, todavia é importante descrevermos que a dependência química provoca a morte além de fazer com que as atitudes do usuário de drogas sejam totalmente inconsequentes.
  3. Internação compulsória: A internação compulsória é um procedimento burocrático que leva meses até ser aceita, e que necessita de um laudo médico para a internação acontecer. A internação compulsória deve ser recorrida em casos que sejam extremamente graves, onde necessita de apoio profissional antes que o usuário de drogas cometa uma ação inconsequente e venha a falecer em decorrer ao uso.

 

Por que devo recorrer a uma clínica de recuperação?

 

Esperemos que a leitura acima seja esclarecedora, todavia, se você sente alguma dúvida sobre a dependência química e como funciona o tratamento, entre em contato com nossa clínica de recuperação. O familiar por exemplo possui algumas alternativas no tratamento para dependência química e deve ajudar uma pessoa viciada em substâncias químicas pois ajuda o adicto a controlar sua compulsão pela droga, manter o distanciamento de amizades negativas, ajuda o usuário de drogas e encontrar uma nova forma de viver a vida, além de evitar o falecimento do adicto.

Realizar uma internação em uma clínica de recuperação é uma segunda oportunidade de vida, a dependência química acontece quando menos se espera e quando perceber, seu estado de dependência estará gravemente afetado. É possível viver uma vida sem qualquer interferência química, para que isso aconteça, é necessário dar o primeiro passo.

É importante descrevermos que mesmo que haja recaídas, não desista de quem precisa de ajuda. Como foi descrito acima, a dependência química é uma doença crônica e progressiva, que necessita de cuidados médicos antes que seja tarde demais. Procura um lugar para iniciar o tratamento? Entre em contato com o Grupo Aliança Pela Vida e tire suas dúvidas.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Artigos Relacionados

Enviar Mensagem
Estamos online
Olá 👋
Podemos te ajudar?
Call Now Button